Aí vai pra vocês mais notícias do QUANTO os Bancos gostam de todos nós, pensem bem aonde colocar seu dinheiro:

Dados do BC mostram que os quatro maiores conglomerados bancários do país detinham, no fim de 2017, 78% de todas as operações de crédito feitas por instituições financeiras no país.

No ano passado, o governo anunciou medidas para reduzir os juros do rotativo do cartão de crédito. A federação que representa os bancos no país anunciou novas regras para uso do cheque especial, que entraram em vigor em julho deste ano.

Juros bancários médios caem

Apesar do aumento dos juros do cheque especial e do cartão de crédito rotativo, os números do BC mostram que houve queda nos juros médios das instituições com recursos livres (sem contar BNDES, crédito rural e imobiliário) em novembro.

a taxa média total (pessoa física e jurídica) passou de 38% ao ano em outubro para 37,9% ao ano em novembro; no ano, ela recuou 2,4 pontos percentuais, pois somava 40,3% ao ano no fechamento de 2017;
os juros nas operações com pessoas físicas passaram de 51,9% ao ano, em outubro, para 51,6% ao ano, em novembro; no acumulado do ano taxa caiu 3,4 pontos percentuais. Estava em 55% ao ano no fim do ano passado;
a taxa cobrada das empresas ficou estável caiu de 20,4% ao ano em outubro para 20,3% ao ano em novembro; e, na parcial do ano, recuou 1,3 ponto percentual (totalizou 21,6% ao ano no fechamento de 2017).

Spread bancário

Mesmo com a queda dos juros médios de todas as operações das instituições financeiras, o chamado “spread bancário” (diferença entre o que os bancos pagam pelos recursos e o que cobram de seus clientes) subiu em novembro.

No caso das operações com pessoas físicas e com empresas, o “spread” subiu de 29,6 pontos percentuais em outubro para 29,9 pontos em novembro. Para pessoas físicas, avançou de 43 pontos em outubro para 43,2 pontos em novembro. Esse é um patamar elevado para padrões internacionais.

O “spread” é composto pelo lucro dos bancos, pela taxa de inadimplência, por custos administrativos, pelos depósitos compulsórios (que são mantidos no Banco Central) e pelos tributos cobrados pelo governo federal, entre outros.

Fonte: G1


Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nossa newsletter para novidades e promoções exclusivas e ganhe um ebook grátis.