Se você está iniciando nos investimentos e ainda não sabe o que é CDI, chegou a hora de descobrir. Fique por dentro desse assunto que pode afetar diretamente seus rendimentos. 

O mundo dos investimentos é repleto de siglas e, para quem está iniciando no mercado, as diversas nomenclaturas podem assustar. 

Para ajudar nesse processo, hoje vamos falar sobre uma das mais utilizadas, conhecidas e importantes quando o assunto é investimentos. Afinal, você sabe o que é CDI? 

Apesar de ser essencial para direcionar boas aplicações em renda fixa, você sabia que, enquanto pessoa física, é impossível aplicar dinheiro em CDI?

Essa e outras explicações você encontra no conteúdo abaixo. Continue a leitura e descubra tudo sobre o Certificado de Depósito Interbancário e como ele pode afetar diretamente o seu bolso.

Boa leitura! 

O que é CDI?

CDI é a sigla para Certificado de Depósito Interbancário, o nome dado aos empréstimos que os bancos fazem entre si.

A finalidade desses empréstimos é fechar o caixa no positivo. Ou seja, uma forma para as instituições financeiras levantarem capital para regularizar o seu saldo diário.  

Ao realizarem esse processo, assim como acontece com qualquer tipo de empréstimo financeiro, os bancos pagam juros, sendo definido pela Taxa CDI

Então, diferente do que se possa pensar em um primeiro momento, quando se começa a pesquisar sobre aplicações e se depara com a dúvida sobre o que é CDI, o Certificado de Depósito Interbancário não é um tipo de investimento.

Mas, ainda assim, ele pode impactar diretamente suas aplicações financeiras, sobretudo na modalidade de renda fixa. E abaixo nós explicamos melhor porquê isso acontece. 

Por que o CDI existe?

Antes de falarmos como funciona e como ele pode afetar o seu dinheiro, vamos entender porque esse título existe e sua importância.

Bom, agora que você entendeu o que é CDI, pode estar se perguntando o motivo das instituições bancárias precisarem fazer empréstimos entre si.  Afinal, não são aos bancos que muitas pessoas recorrem para conseguir dinheiro emprestado? 

A Taxa CDI existe hoje devido a uma determinação do Banco Central do Brasil, que estabeleceu a obrigatoriedade de toda instituição financeira finalizar o dia em salto positivo. Ou seja, ao final do expediente, o banco precisa ter um valor maior de entradas do que saídas de dinheiro. 

Acontece que, por alguns motivos, nem sempre isso é possível. Por exemplo: um banco pode ter realizado um alto número de saques e recebido poucos depósitos, o que resultou em um caixa negativo ao final do dia. 

Então, para cumprir com a regulamentação do BCB, entra o CDI: um banco que está com o caixa em dia pode cobrir o débito de outra instituição com seus recursos. 

Esse sistema não só garante que os bancos estejam em dia com o Banco Central do Brasil, como permite a fluidez e continuidade das operações bancárias

Como funciona o investimento no CDI? 

Certamente você já entendeu o que é CDI e que não é possível investir, enquanto pessoa física, neste título.

Para emprestar recursos financeiros para um banco, recebendo os juros pela aplicação, seria necessário investir em CDB, o Certificado de Depósito Bancário. Um tipo de investimento de renda fixa em que uma pessoa física disponibiliza dinheiro para uma instituição bancária

Assim, na prática, o CDI funcionaria da seguinte maneira: 

Imagine que um banco recebeu muitos depósitos durante o dia, finalizando a sua receita diária muito acima do esperado. Enquanto isso, outra instituição bancária realizou muitos empréstimos, mas não recebeu depósitos suficientes para equilibrar o caixa. 

Então, após o expediente, o banco em débito entra em contato com a instituição que está superavitária e solicita um empréstimo.  

Essa negociação ocorre, então, em uma operação overnight, que na tradução literal significa “durante a noite” e representa investimentos que acontecem de um dia para o outro. 

Ou seja, no dia seguinte, o banco que está em dívida devolve o valor emprestado + a Taxa CDI aplicada. 

Mas como o CDI afeta os investimentos? 

Certo, sabemos o que é o CDI e como todo o processo acontece, mas como essa taxa interfere nos investimentos? Essa pergunta nós respondemos agora! 

Quando falamos em investimentos de renda fixa, sobretudo em títulos pós-fixados, a taxa do CDI é a principal referência de rentabilidade.

Na prática, isso significa que, apesar de não ser possível investir em CDI, o título é fundamental para a análise de vários tipos de aplicações.

Muitos investimentos estão atrelados a esse indicador, como é o caso da CDB, LCI, LCA e LC, por exemplo. Outras aplicações utilizam a taxa CDI como benchmark, uma meta para o desempenho do investimento. 

Isso acontece porque a taxa CDI é adotada por muitas pessoas como a Taxa Livre de Riscos, ou seja, a rentabilidade mínima esperada pelo investidor

Logo, esse seria um indexador para diversas modalidades de investimento em renda fixa, e a porcentagem de rendimento do CDI de uma aplicação poderia dizer se esse foi ou não um bom investimento.  

Como calcular a taxa do CDI?

Se a taxa do Certificado de Depósito Interbancário pode impactar tanto no seu bolso, você deve estar curioso para saber como fazer esse cálculo, certo? 

A taxa do CDI, também conhecida como Taxa DI, pode ser apresentada em modalidade anual, mensal ou diária. 

Em todos os casos, o cálculo é realizado pela B3, que registra as operações e faz a média de juros praticados nos certificados interbancários. 

Para o investidor pessoa física, o importante é ficar atento em como essa taxa reflete nos investimentos de renda fixa. 

Por exemplo: se uma aplicação oferece 100% do CDI, significa que o retorno sobre o investimento será equivalente à taxa CDI daquele período. 

Vamos supor que você possua um investimento CDB, com 100% da CDI, que será resgatado hoje. Na data da escrita deste artigo, a taxa DI está em 3,40%. Isso significa que o seu retorno sobre o investimento será exatamente de 3,40%. 

Em alguns casos, você pode encontrar investimentos que oferecem um valor menor, como 80% do CDI, assim como alguns que oferecem 120% de retorno. 

Em todo caso, vale ficar atento às alterações que podem acontecer: por ser um investimento de remuneração pós-fixada, por mais que o CDI sirva de referência, a variação da taxa durante o período de aplicação ditará o retorno.

Ou seja, se a taxa DI subir próximo à data de resgate, seu retorno será maior. Mas, caso a taxa caia, inevitavelmente o retorno também cairá.

Então, se você está pensando em iniciar no mercado de aplicações, mas está com receio de não conseguir uma alta rentabilidade no processo, conheça a plataforma da MatchMoney.

Você pode aproveitar o nosso simulador para entender como serão seus ganhos ou criar sua conta gratuita para já começar a investir seus recursos com segurança.

Author

Head of Digital Marketing & Content na MatchMoney e investidor em evolução.

Comentários