As aplicações financeiras com renda fixa são o primeiro passo no mercado de investimentos para muitas pessoas

Afinal, além de ser uma excelente maneira de poupar dinheiro, essa modalidade é muito segura e oferece muitas alternativas. 

No entanto, ao se deparar com as diversas opções, pode bater a dúvida: afinal, quais as melhores aplicações de renda fixa? Quais as diferenças entre elas? Como essa modalidade de investimento funciona? 

Para responder de vez essas questões, durante esse artigo vamos falar sobre:

  • O que são aplicações financeiras com renda fixa
  • Como aplicar e quais os tipos de renda fixa
  • Como funciona a cobrança de IR em aplicações com renda fixa.

Ao final da leitura, você estará pronto para planejar e realizar a tão sonhada reserva para o futuro. Vamos lá!

O que são aplicações financeiras com renda fixa?

Para começarmos a falar desse tipo de investimento, precisamos explicar o que é aplicação em renda fixa e como funciona. 

A renda fixa é uma modalidade de investimento em que você já aplica o seu dinheiro ciente, ou pelo menos tendo uma ideia aproximada, de rentabilidade daquele investimento.

Ou seja, antes de iniciar, de fato, a aplicação, você irá saber exatamente quanto de juros irá receber de volta. 

Ao contrário do que acontece em investimentos feitos em modalidade de renda variável, que pode sofrer interferência de fatores externos, maior risco e menos garantia do retorno. 

Além de ter uma segurança maior, a renda fixa também pode gerar boa rentabilidade sobre o dinheiro aplicado. Pelo fato de ser possível ter uma noção destes índices, as aplicações acabam sendo um investimento de menor risco.

Como aplicar em renda fixa? 

As aplicações financeiras com renda fixa podem ser feitas tanto por meio de emissão de títulos quanto por critérios de rentabilidade. 

Nessa modalidade, os investimentos funcionam da seguinte forma: você empresta seu dinheiro para instituições, que podem ser financeiras ou não. 

Essas empresas usam a renda para financiar suas atividades e, em troca, além de devolver o valor, repassam uma taxa de juros pelo empréstimo. 

Assim, ao decidir em qual título investir o seu dinheiro, é fundamental ter em mente que existem diversas possibilidades de aplicações financeiras com renda fixa

Por isso, você deve entender quais as melhores alternativas para conseguir os resultados desejados. 

O primeiro passo para isso é pesquisar sobre as possibilidades e planejar as aplicações a partir dos seus interesses financeiros e da rentabilidade de cada um. 

Caso opte por contar com uma corretora de valores, por exemplo, é possível fazer aplicações em múltiplos títulos, de instituições e empresas diferentes, em uma mesma conta.

Quais são os tipos de renda fixa?

Como já mencionamos, existem diversos tipos de aplicações em renda fixa que podem ser emitidas por instituições privadas e públicas, como bancos, empresas ou até mesmo pelo governo.

Abaixo, veja algumas das mais conhecidas e melhores aplicações de renda para considerar na hora de começar a investir. Confira: 

1. Tesouro Direto

É uma das aplicações financeiras com renda fixa mais procuradas por iniciantes na área de investimentos. Trata-se de um investimento cujos títulos são emitidos pelo Governo Federal. 

Basicamente, o dinheiro investido é emprestado para o governo, que o usa para o desenvolvimento de áreas como educação, saúde e infraestrutura. Assim, na data predeterminada, o investidor recebe o dinheiro com um valor acrescido de juros.

O Tesouro Direto oferece 3 tipos de títulos: 

  • Tesouro Prefixado

Indicado para investimentos de médio e longo prazo porque sua atualização com juros é feita semestralmente. 

O prefixado tem uma taxa fixa de rentabilidade que já é simulada e decidida no momento da compra. Ou seja, você sabe exatamente quanto precisa investir para conseguir o valor desejado.

  • Tesouro IPCA

Diretamente ligado à inflação, a principal vantagem do IPCA é evitar que o seu dinheiro se desvalorize com o passar do tempo. 

Por isso, é um bom investimento para objetivos a médio e longo prazo.  

  • Tesouro Selic

Sem dúvidas o mais conhecido popularmente! Esse título rende conforme a taxa básica de juros e também apresenta baixas oscilações. 

Você pode recuperar o seu investimento a qualquer momento, por isso é o título ideal se o seu objetivo for criar uma reserva de emergência ou para um objetivo de curto prazo.  

2. CDB

O CDB, Certificados de Depósito Bancário, é uma aplicação emitida pelos bancos para captar recursos e financiar suas ações. 

Segue a mesma linha do Tesouro Direto: você empresta seu dinheiro para o banco e, em troca, recebe o valor corrigido com juros. 

O que pouca gente sabe é que, geralmente, quando oferecido por bancos menores, o título pode resultar em rendimentos ainda mais atrativos para o investidor. 

Além disso, essa aplicação de renda fixa está totalmente atrelada ao prazo de investimento, o que significa que prazos maiores tendem a registrar taxas de rentabilidade mais altas.

3. LCI e LCA 

A Letra de Crédito Imobiliária (LCI) e a Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) são aplicações de lógica semelhante ao CDB. Ambas são títulos emitidos por bancos e instituições financeiras.

A diferença entre os títulos é o ramo em que o dinheiro do investidor será usado: enquanto na LCI o dinheiro é revertido para financiamentos imobiliários, na LCA é utilizado em financiamentos do ramo agropecuário.

Uma grande vantagem destes títulos é o fato deles serem isentos de tributos, como o Imposto de Renda. O que significa que os rendimentos gerados vão diretamente para você.

Os títulos mencionados até aqui são alguns investimentos possíveis de renda fixa. Mas existem muitas opções às quais você pode recorrer na hora de começar a investir.

O importante para definir quais as melhores aplicações de renda fixa para investir seu dinheiro é pesquisar, conhecer as opções e, assim, definir qual será o mais eficiente para atender o seu objetivo no momento.

Como funciona o Imposto de Renda com as aplicações em renda fixa? 

Agora que sabemos o que é  renda fixa e quais são as aplicações financeiras com renda fixa mais conhecidas, chegou a hora de falar dos temidos tributos, especificamente o Imposto de Renda.

Afinal, o IR é cobrado na maioria dos investimentos de renda fixa!

É importante saber que a tributação segue uma alíquota regressiva. Por isso, a melhor alternativa é deixar a aplicação o maior tempo possível investido, para que a porcentagem paga para o IR seja menor. 

Dos citados no artigo, apenas os títulos LCI e LCA são isentos do IR

Para isso, ao realizar a declaração, basta colocá-los na categoria de rendimentos isentos e não tributáveis. 

Para os outros investimentos, é cobrado o valor referente ao Imposto de Renda no momento do resgate da aplicação. 

Em geral, o pagamento já é realizado automaticamente pela corretora ou banco assim que você retira o dinheiro, então não é necessário se preocupar. 

Pronto para começar a investir em aplicações financeiras com renda fixa?

Para se sentir ainda mais confiante para começar a investir seu dinheiro, leia também:

Author

Head of Digital Marketing & Content na MatchMoney e investidor em evolução.

Comentários